Os impasses no jogo do impeachment

A segunda-feira foi de preparativos, com os dois lados acumulando forças.

O cenário central que traçamos contempla os seguintes movimentos:

Do governo - Lula avançando na remontagem do pacto político, juntando a antiga base de apoio, tendo o presidente do Senado Renan Calheiros como fiel da balança.

Da oposição - Reorganização do pacto PMDB-PSDB em torno do vice-presidente Michel Temer.

Batalha de Stalingrado - Daqui até a votação do impeachment pela Câmara, acirramento das disputas

Conforme previmos, os lances principais de curto prazo foram jogados:

1- Impedir a atuação de Lula através de ações judiciais junto ao STF.

2- Acelerar as ações contra Renan Calheiros.

Do lado de Lula, houve a manifestação dos juristas subscrevendo um HC dirigido ao STF. E Lula se lançando à luta sem necessariamente dispor do cargo de Ministro-Chefe da Casa Civil.

Ontem ocorreram os seguintes episódios:


Temer

O Senador José Serra tentou se valer da parceria com jornais para se apresentar como conselheiro, avalista e coordenador de um futuro governo Michel Temer.

Foi uma entrevista que trouxe apenas uma informação importante: Serra não é jogador central, no máximo é um estrategista dos porões Quem manda nos bastidores jamais se apresenta no palco. Foi imediatamente rechaçado por Temer, consolidando a convicção de que, na eventualidade de um acordo PSDB-PMDB, Serra irá para um cargo secundário.


STF

O STF (Supremo Tribunal Federal) mais uma ver tergiversou em relação ao tema Lula. Sorteado relator da medida contra a decisão do seu colega Gilmar Mendes, o Ministro Edson Fachin refugou e declarou-se impedido por ser padrinho de batismo do filho de um dos signatários do documento.

 

Novo sorteio, a bola caiu com a Ministra Rosa Weber. Mesmo tendo sido assessorada pelo juiz Sérgio Moro, no "mensalão", Weber não se declarou suspeita.

Agora, está sob fogo cruzado.

Do lado da oposição, o uso óbvio das conversas gravadas e divulgadas irregularmente por Sérgio Moro, especialmente o pequeno trecho em que um dos políticos sugere a outro que Dilma converse com Rosa.

Do lado dos lulistas, a disseminação de ataques mencionando o filho que trabalha na Globo, o parentesco com a esposa de Aécio e a assessoria de Moro no “mensalão”. São tão desastrados que parecem até planejados pelos golpistas. Rosa Weber é considerada unanimemente uma Ministra séria. Suas vulnerabilidades não se prendem ao caráter, mas à fragilidade emocional nos grandes embates jurídicos, especialmente com implicações políticas como a atual. Os ataques apenas atiçarão mais as idiossincrasias no STF.

Não se entende que uma estilingues de cá legítima bombardeio e fogo de artilharia de lá.

Ainda há que se aguardar a posição do STF. Até agora, não há nenhum sinal de que entrará mais firmemente na contenção de abusos.


Pressões sobre parlamentares

Grupos como o “Vem para a rua” estão trabalhando a rede com o máximo de profissionalismo. Montaram sites com a ficha de cada deputado, sua posição em relação ao impeachment e dados pessoais, sobre como e onde constrangê-los, além do uso abundante de robôs, especialmente no Twitter, e de sites de disseminação de notícias falsas. E, óbvio, com a retaguarda do maior dos perfis das redes sociais: os veículos de comunicação.

Do lado dos lulistas, há também o uso de robôs, de sites com notícias falsas e de ataques aos principais protagonistas do golpe. Mas com eficácia reduzida.


Momentos decisivos

Nos cenários anteriores, alertamos para o óbvio: os próximos dias serão prenhes de grandes jogadas midiáticas e policiais. Podem aguardar sentados novas bombas saindo dos porões diretamente para o Jornal Nacional.

Por outro lado, aumenta a reação ao golpe. Após as grandes manifestações do último dia 19, haverá provavelmente manifestações maiores no dia 31. Além disso, ampliou o posicionamento de artistas, intelectuais e personalidades em geral contra o clima de fascismo e contra o golpe.

Há saídas convencionais para a crise: a derrubada do impeachment e a recomposição do governo Dilma; ou o impeachment e a entrada de Michel Temer.

Comece a trabalhar com uma terceira hipótese, ensaiadas por alguns setores mais preocupados com a institucionalidade a partir das seguintes premissas:

1- O alvo sempre foi Lula. É Lula que une as esquerdas e pode ameaçar as eleições de 2018.

2- A queda de Dilma escancará o golpismo perante o mundo jurídico e a opinião pública mundial. Não haverá como conferir legitimidade ao governo que assumir.

3- Além disso, ampliará de forma incontrolável o racha, o ódio e a violência.

A saída – segundo esse raciocínio – seria preservar o governo Dilma à custa do sacrifício político de Lula.

Antes, terão que combinar com os russos. Mas tenho convicção de que os próximos passos do jogo serão nessa direção.

 

****

Please reload

Maceió Ilustrada
atl-maceio-ilustrada-farol_edited.png
Cartum
moro-nani-2.png
Siga-nos 
Arquivos
Please reload

Posteres Recentes

December 2, 2019

Please reload

© 2014  ATL. Criação de  Marcos Cabral