A pistolagem política contra Jaques Wagner

A Lava Jato tornou-se um covil de bandidos políticos. E não estou falando dos réus, e sim das autoridades.

Tem bandido do lado dos réus, mas tem bandido também do lado das autoridades. E, francamente, não sei quais são os piores.

Ninguém tira a importância da Lava Jato, mas quem poderá também negar que ela está sendo usada com finalidade político-partidária, vazando seletivamente, sempre com objetivo de produzir instabilidade e crise?

Nem 48 horas se passaram após Jaques Wagner, ministro da Casa Civil, se destacar no noticiário, atuando como uma espécie de porta-voz do governo, dando entrevistas, assinando artigos, fazendo prognósticos otimistas para superação da crise, e a força-tarefa vaza à imprensa de oposição trechos de diálogos do governador com executivos.

Trechos que não o incriminam em nada, vale dizer. Mostram apenas um governador conversando com empresários, como um político deve fazer todos os dias.

Claro, a PF e a mídia jogam no ar um monte de siglas e senhas, atribuem-se-lhes significados, e procuram condenar um monte de gente antes mesmo das pessoas sequer saberem o que está se passando.

A criminalização da política atingiu um paroxismo ridículo.

Políticos, no Brasil, apenas podem conversar com barões da mídia. Qualquer conversa com empresários, sindicalistas, trabalhadores, é criminalizada.

Algumas autoridades repressivas, mancomunadas com a mídia, criaram um estalinismo de direita no Brasil. Derrubam sigilos telefônicos, fiscais, bancários, eletrônicos, de centenas de políticos, empresários, jornalistas, e de posse desse conjunto de informações podem brincar de montar as mais diversas narrativas de seu interesse.

Os escândalos podem ser montados como quem brinca de lego.

Este vazamento é particularmente criminoso porque, além de mostrar a promiscuidade bandida entre alguns membros da Lava Jato e setores da imprensa, deixa claro que o objetivo dessa cumplicidade é desestabilizar o governo e jogar fogo na crise política: prejudicando, naturalmente, a classe trabalhadora.

Se tem gente que perde, tem gente que ganha: a elite tem dinheiro investido em juros e fundos especiais, que crescem junto com a crise. Quanto mais desemprego, quanto mais altos os juros, quanto mais acentuada a inflação, mais os profetas do caos ganham dinheiro.

As notícias recentes, de que a Polícia Federal sofreria um corte de pouco mais de 100 milhões de reais, deram margem a autênticas ameaças e chantagens explícitas de setores da PF ao governo, mesmo sabendo que a queda de arrecadação deriva justamente da irresponsabilidade com que essas autoridades vem conduzindo as investigações da Lava Jato.

Parte da culpa é do próprio governo e sua inaudita, mastodôntica, ferroviária, incompetência em matéria de comunicação. Há muito tempo, o Ministério da Justiça deveria ter mostrado à sociedade, através de vídeos, memes, animações, entrevistas, o aumento dos repasses à Polícia Federal, desde o início do governo Lula.

Ministério Público, Moro (e todo um setor do judiciário profundamente reacionário) e a mídia fazem campanha contra acordos de leniência, e pregam a destruição de toda a uma cadeia produtiva, responsável por grande parte da arrecadação fiscal. Ou seja, não apenas pregam o caos, mas trabalharam com sucesso para que ele se instalasse, levando a quebradeira de inúmeras companhias, à demissão de milhares de trabalhadores, e as consequentes quedas no orçamento público, que precisa dos impostos dessas empresas para poder investir e pagar salários do funcionalismo.

Implantaram um Estado policial terrorista, através de vazamentos seletivos e prisões preventivas indiscriminadas, gerando enorme insegurança jurídica e política, a ponto de mesmo a imprensa internacional se perguntar, perplexa, até onde chegará a postura savonarola, apocalíptica, de Sergio Moro e seus cúmplices.

A ironia é que delegados da Polícia Federal, assim como procuradores, estão no topo da hierarquia salarial do serviço público brasileiro. Recebem altíssimos proventos, além de todos os penduricalhos ilegais que o corporativismo conseguiu colar em suas rendas mensais: mesmo assim tentam sabotar, de todas as maneiras, iniciativas que tentam reativar a economia e as obras públicas, e com isso recuperar a arrecadação do Estado, recuperação necessária inclusive para pagar seus salários de marajá.

A mesma coisa vale para o TCU, o qual, seja dita a verdade, é composto por um bando de marajás inúteis e corruptos do serviço público. O TCU federal e os TCUs estaduais nunca serviram para nada: não passam de cabides de empregos para políticos derrotados. Nas últimas décadas, tem legitimado todos os esquemas de corrupção feitos por governadores (em São Paulo, o presidente do TCU era o chefe do trensalão) e presidentes da república, e quando resolvem trabalhar é no intuito de fomentar uma crise política, promover o caos econômico e ajudar a oposição a dar um golpe de Estado.

Pobre Brasil! Tanta gente trabalhando duro. Professores, sobretudo, sofrendo com baixos salários, e um bando de mandarins do serviço público, ganhando às vezes mais de 80 mil por mês, às vezes até 200 mil por mês, fazendo de tudo para paralisar a economia brasileira de um lado, e promover uma ruptura democrática, de outro.

Abaixo, os diálogos vazados para o Estado de São Paulo. As informações entre parênteses e colchetes não estão confirmadas, apesar do jornal publicá-las como se já os estivessem - e mesmo que o fossem, também não significam muita coisa.

*****

17/10/2012

Situação: Pinheiro fala com fundador da OAS sobre apoio no 2.º turno da eleição para a prefeitura de Salvador. A conversa cifrada faz menções a valores para pagar campanhas.

Léo Pinheiro: O Compositor (Jaques Wagner) me ligou ontem, disse-lhe que estava fora e que MR iria procurá-lo x MK (Mário Kertész, candidato do PMDB à prefeitura de Salvador em 2012) (saldo). Se resolveríamos parte como nosso apoio ao Andarilho (Nelson Pellegrino, candidato petista à prefeitura de Salvador em 2012) ou qual seria a solução?

Léo Pinheiro:

O valor é muito alto. 3.600 Street Brown

18/10/2012

Situação: Conversa entre executivos da OAS aponta negociações com Jaques Wagner sobre volume de doações para campanha

Manuel Ribeiro Filho: Léo, vou estar com o compositor (Jaques Wagner) às 18. Ele adiou de 14 para 18. Algum conselho especial?

Manuel Ribeiro Filho: Amigos, estive com o figura. Ele falará com MK para deixar depois do evento. Disse que o valor não é real e não pediria para o Leo se soubesse o tamanho. Vai baixar e dividir.

Léo Pinheiro: Ok. Salvador acho que devemos dar +1.

Manuel Ribeiro Filho:

A pedida foi +5, me fingi de surdo, depois 2 e acabamos no 1,5. 0,5 agora, deixando +1 para o final. VC ele disse que EV falando com o povo de lá disse que podia ser +0,5. Disse que não havia estimativa e não havia qualquer interesse, exceto atendê-lo. Mas forçou a barra mesmo e fui obrigado a chegar a +0,4.

Léo Pinheiro:

Ok, tinha lhe mandando antes de lhe falar. 1,5 + 0,4.

21/10/2014

Situação: A cinco dias do 2.º turno das eleições presidenciais, Pinheiro pede a Wagner para intermediar liberação de recursos dos Transportes

Léo Pinheiro para Jaques Wagner:

Governador, Se for possível, peço seu apoio. Abs.

Varjão:

“Léo, é importante que o nosso Gov. JW (Jaques Wagner) fale com o Min. dos Transportes Paulo Sergio para liberar recurso no valor de R$ 41.760 milhões, referente a ressarcimento d convênio TT 026/2008 da Via expressa, objeto o ofício 021/2013/GG assinado por ele em 10/10 de 2013.”

Jaques Wagner:

Ok, vou fazê-lo abs domingos vamos ganhar com certeza.

Léo Pinheiro para César Mata Pires Filho:

Já falei com JW (Jaques Wagner). Vai ligar para o PS. Bjs

Please reload

Maceió Ilustrada
atl-maceio-ilustrada-farol_edited.png
Cartum
moro-nani-2.png
Siga-nos 
Arquivos
Please reload

Posteres Recentes

December 2, 2019

Please reload

© 2014  ATL. Criação de  Marcos Cabral