Eduardo Bolsonaro atentou contra o Estado de Direito e contra a ordem política e social ao ameaçar a adoção da medida ditatorial ao estilo do Ato Institucional nº 5 [AI-5] decretado pela ditadura civil-militar em 13 de dezembro de 1968.

 

A ameaça de Eduardo Bolsonaro recebeu apoio do ministro do GSI general Augusto Heleno que, com alto senso prático para concretizar o arbítrio, disse que “tem de estudar como vai fazer, como vai conduzir [o AI-5]”.

 

O general, um saudoso da ditadura 1964/1985 e tão adorador do torturador Brilhante Ustra quanto o clã Bolsonaro, ainda emendou que “se houver uma coisa no padrão do Chile, é lógico que tem de fazer alguma coisa para conter”.

 

O general trata a democracia como um estorvo: “Essas coisas, hoje, num regime democrático …  é complicado. Tem de passar em um monte de lugares. […] Fazem de tudo para não passar. O pessoal não quer, não quer nada que possa organizar o País”.

 

A medida defendida pelo deputado e filho do presidente [e apoiada pelo ministro do GSI] significou a inflexão totalitária da ditadura civil-militar e o maior ataque feito às liberdades e garantias legais e constitucionais em toda história do país.

 

As conseqüências dessa medida preconizada por Eduardo Bolsonaro seriam, portanto:

 

- o fechamento do Poder Legislativo em todos os níveis;

 

- a cassação de mandatos parlamentares, a proibição de funcionamento dos partidos e inclusive a proscrição de partidos opositores;

 

- a intervenção federal em estados e municípios;

 

- a suspensão do direito de reuniões, a censura prévia e o fim das liberdades políticas;

 

- a implantação de toque de recolher;

 

- a suspensão do direito ao habeas corpus;

 

- poderes para o presidente da República demitir procuradores, delegados e juízes, dentre eles do STJ e STF e de tribunais de contas, eleitorais etc; e

 

- poderes absolutos para o presidente da República legislar por decretos, por cima do legislativo e do judiciário.

 

Ao defender a quebra da ordem política e social para impor um regime de força e arbítrio, Eduardo Bolsonaro quebrou o juramento de defender e obedecer a Constituição e as Leis, prestado na diplomação e na posse como deputado.

 

Como declarou o presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia, as declarações “repugnantes” do deputado Eduardo Bolsonaro e “a apologia reiterada a instrumentos da ditadura é passível de punição pelas ferramentas que detêm as instituições democráticas brasileiras”.

 

O único desfecho aceitável para o crime cometido por Eduardo Bolsonaro é a cassação do mandato. E, com o cometimento de crime de responsabilidade, a continuidade do general Heleno no cargo de ministro de Estado se torna insustentável.

 

Muitas autoridades, juristas, militares, líderes partidários, lideranças sociais, eclesiásticas, artísticas e a imprensa condenaram a ameaça do filho do presidente, inclusive alguns ministros do STF.

 

É vergonhoso o silêncio do Dias Toffoli diante deste grave atentado que ameaça a integridade da própria Suprema Corte que ele preside.

 

Eduardo Bolsonaro é reincidente nas ofensas ao STF; já fez várias ameaças, a mais conhecida, a de fechar o tribunal com um soldado e um jipe.

 

Se Dias Toffoli continuar em silêncio diante desta brutal violência institucional, se assumirá alguém tão fora da lei como Eduardo Bolsonaro, e sua presença à frente do STF se tornaria nefasta, uma vez que estaria quebrando o juramento de posse, de defender e obedecer a Constituição e as Leis.

 

Afinal, por que te calas, Toffoli?

 

 

****

Please reload

Maceió Ilustrada
atl-maceio-ilustrada-farol_edited.png
Cartum
moro-nani-2.png
Siga-nos 
Arquivos
Please reload

Posteres Recentes
Please reload

© 2014  ATL. Criação de  Marcos Cabral